30 setembro 2005

DEPOIMENTO DE MARCELO - Salvador - BA


15.09.05
Meu nome é Marcelo Jansen Klajman,atualmente com 37 anos,com diagnóstico de 1 ano e 2 meses,apos peregrinação de 4 anos para saber que tipo de "professora da vida que eu tinha,o apelido que dei para Dona Parkison"(rsrsrs).

Sinceramente,tive depressão,frustação,ouvi muita besteira e intolerância de parentes e muitos que se dissem médico na época que não se sabia o que eu tinha.Fiquei desempregado,sem dinheiro,depedendo de parentes.Foi o ano de 2003.

Bem,após ser internado e ser(está sendo) acompanhado pelos médicos da Rede Sarah.E terem descorberto que era que eu tinha Parkison.Juro que fiquei feliz,pois tinha passado 3 anos de 2001 a 2003,sofrendo,e triste nos momentos de crise,sem saber a medicação e tumo a rumar.Essa descoberta foi em Jun/2004.

A primeira coisa que fiz, então,foi aceitar Dona Encrenca,ops,Dona Parkison.Não tento me lamuriar,agradeço por esta passando esse teste (e ela esta cada vez mais razoavel comigo),tomo meus remedios,estou atualmente namorando(embora desde q essa senhora pintou não deixei de fazer-rsrsrs).Aprendi e estou apredendo a me conhecer mais,tanto o funcionamento do meu corpo como da minha alma.

Somo junto com a medicina convencional,terapias alternativas,no meu caso o Johrei(técnica japonesa de transmissão de bioenergia na imposição de mãos).
Melhorei muito com ele,tanto que amigos meus se espantam de eu andar muito rapido e nao tremer enquanto como.Tenho rigidez sim,mas o johrei,tem desbloqueado,os meus movimentos.Como resultado do casamento da ciência e da terapia oriental.

Hoje,embora as limitações,me sinto muito disposto,dou muita risada,vejo tudo como aprendizado.
Um abração galera!
Sobre o Johrei:http://www.messianica.org.br

27.09
Sou do Rio de Janeiro mas moro em Salvador.Estou muito satisfeito em fazer parte desta comunidade.

Tanto que coloquei a página da Dalva como sendo a principal do meu navegado.Só abrir,que já vejo as notícias fresquinhas.Li o chat de ontem,onde minha namorada participou.Dalva,pode publicar meu relato sim.Fique a vontade.

Minha medicação,que já mantenho,há um ano e três meses são:Amantidam e Selegilina.Graças a Deus, a dona encrenca não tem avançado,quiçá,as vezes ,sinto que regrediu.Em 4 anos e meio de doença,estou bem melhor neste 1 ano e meio.

Abração!

19 setembro 2005

DORES...

De: Amanda - (autenticam@YAHOO.ES)
para: Foro sobre la enfermedad de Parkinson
segunda-feira, 19 de setembro de 2005 12:08:24
Assunto: INFORMES SOBRE UN MEDICAMENTO




"Con fecha 09/09/2005 envié un pedido de informe sobre un medicamento que me fuera indicado. Como no obtuve respuesta, ( no es conocido por las personas que padecemos park) me puse a investigar , porque si bien Soroastro dijo “ Si dudas, calla”, en estos casos yo digo “ Di dudas investiga, luego hablas”

Llevo este comentario al foro porque lo considero de importancia para todos. Desde que pasé por mi cirugía de vesícula, a un año casi, pues fue e 29/09/2004, y luego del “descubrimiento” de algo más, mi insuficiencia renal, he tenido que tomar mis precauciones con respecto a la toma (o no) de ciertos medicamentos. Se trata justamente de antiinflamatorios que me indicaran para la artrosis, y que los tengo ahora estrictamente prohibidos. De manera que cualquier tratamiento de tipo kinésico es lo que debí adoptar para poder sobreponerme a esos dolores que me producen trastornos que nunca el parkinson
me los produjo, Yo siempre dije en mis escritos que el parkinson, para mi, era lo de menos, y así sigue siendo.

Pero al tener dolores fisicos que no me permiten realizar las tareas que antes realizaba, gracias al alivio que me producían los antiinflamatorios, incluso caminar mis cuarenta cuadras como hasta hace un año atrás, lo hacía, hizo que decline poco a poco mis deseos de salir, pasear, y cada vez ciento que mis movimientos disminuyen, y ahora que me concientizo de ello, me dije otra vez; a esto también me sobrepondré. Puesto que si no me lo propongo, nadie lo hará por mí. Porque se trata de mi propio cuerpo que debe retomar el camino perdido.

Hace poco tiempo, en oportunidad de necesitar hacer una consulta médica, y no poder moverme de los dolores, a lo que se agregaba un dia de esos en que el frio y la lluvia no hacen nada a favor de los dolores articulares. envié una nota a mi neurólogo en la que, con lujo de detalles le explico el problema, MI problema.

Le digo, entre otras cosas que ante cualquier tarea de la casa que realice, me siento fatigada, que ordenar mi guardarropas lo debo hacer en tres etapas, por ejemplo. (Y es un guardarropas normal, nada de otro mundo.)En fin, ese es un ejemplo, como podría ser que me fatigue por lavar la vajilla, o por ordenar la cama de mi habitación. En todos los casos se trata de fatiga física, y eso es lo que aclaro en la nota además, de reiterarle, que no olvide que tengo insuficiencia renal.

Me indica una droga que en ningún lado, ni en el prospecto, ni en pag, de
Internet, he leído que se relacione con el Parkinson... Tal vez, en el amplio sentido de la acción de este medicamento, cuyo principio activo es Memantina, tenga que ver con la fatiga física, pero he tratado de buscarlo hasta en el rincón de objetos perdidos sin poder hallarlo.
Lo que deja bien explícito el prospecto y las pag. web consultadas es que la droga se utiliza en casos concretos de demencia, que gracias a Dios, no me ha tocado aun , Lo dicho tiene intenciones de advertir a quienes puedan verse expuestos a casos parecidos al mío. (al margen, presiento una cierta inclinación - dirías mejor- una leve obsesión - de este profesional, a pensar en estos casos).
Eso de ser mal interpretada o mal examinada, no es mi primer caso, creo que puede llegar a confundir al paciente, y a veces preocuparlo por síntomas que no tiene, No descarto que el medicamento tenga virtudes por las cuales sea indicado como para prevenir la disminución de la memoria, etc., pero no es mi caso y además
concurro mensualmente a su consultorio. No soy una paciente desconocida. Tampoco me realizaron estudios de valoración de tipo cognitivo, como para indicar dicha medicación.
Si yo tomara este medicamento, que actualmente no lo necesito, es agregar drogas a un cuerpo con insuficiencia renal, pese a que le recordé en mi nota ese problema, que me aqueja, la droga esta contraindicada para los que sufrimos de esa insuficiencia. ¿ Por qué agregar más barro?, ya la estatua, de barro esta hecha.

La enfermedad de Parkinson no es señalada en ningún lugar del prospecto, si en cambio la E. de Alzheimer. Se trata de Ebixa, y su componente activo es Memantina

Cuando tenemos las sospechas de que el facultativo se ha equivocado, es humano y puede sucederle a cualquiera, o aún, cuando no existan esas sospechas, debemos estar preparados para evaluar si lo que realmente nos indica nuestro médico, es bueno para el trastorno que tenemos,
Si tenemos dudas, consultemos con otro profesional, pero primero está siempre el paciente, en 2º término el paciente y en 3er término, el paciente.

Que tengan un buen día
Amanda
19/09/2005"

18 setembro 2005

DBS: OPERADOS TROCAM IDÉIAS

De:
a.cortina
Responder para:
Foro sobre la enfermedad de Parkinson
Enviado:
domingo, 18 de setembro de 2005 05:53:56
Para:
PARKINSON@LISTSERV.REDIRIS.ES
Assunto:
[PARK] Ampliacion de "postura tipica"




Querida Itziar:
Gracias por ampliar y mejorar mi respuesta rapida a la pegunta formulada sobre la postura tipica de la EP en estado avanzado. Me alegro de que te sumes al esfuerzo continuo que representa mantener este foro vivo y dentro de los fines por los que fue admitido en RedIris, ( la Comunidad virtual Universitaria y Academica Española ). A cambio, exije un minimo de exactitud y rigor en la informacion que sale o entra en el. Lo anterior, no esta reñido con la "foroterapia" . Ayudar a romper el aislamiento y la marginacion a que nos arrastra la enfermedad aunque ahora su uso ha bajado mucho, sustituido por el "chat". Volviendo al tema de la postura, me gustaria me pudieses aclarar por que la postura y el equilibrio se consideran sintomas axiales originados por lesiones en el tronco cerebral y se atribuye su control principal al cerebelo y no al Sistema Nervioso Extrapiramidal (SNE) que esta compuesto por 31 pares de nervios. que van a la "periferia". Desde ahi, no lo se seguro, podria a traves del subsistema propioceptivo que nos permte conocer nuestra posicion respecto al espacio que nos envuelve, formar parte del control, ejercido conjuntamente por varios formaciones Como experiencia personal, dire que los 10-12 dias entre el implante de los electrodos en el cerebro y la conexion de los cables a los estimuladores.
Recupere perfectamente mi equilibrio, andaba totalmente derecho y escribia con la misma -bonita letra- que desaparecio con la EP, todo exactamente igual que si hubiera hecho caligrafia hasta el dia de la operacion. Cuando conectaron la corriente, fue terrible comprobar como la letra volvia a ser un recuerdo del pasado, y andaba encorvado, con las piernas en ligera flexion. La palabra no me cabe duda esta controlada por otros mecanismos distintos pues si tenia hipofonia antes y empeoro con la opracion. Es como si las palabras llegaran hasta la boca pero sin sonido audible o como un cuchicheo poco articulado del que muy pronto, supongo que por la frustacion de fracaso me canso y vuevo a susurros... Hay pero una forma en la que si puedo hablar: bajando el voltaje de 3 v a 2,8 2,5 y activando los bornes mas exteriores de los 4 que lleva cada electrodo en 2 segundos vuelvo a mejorar la voz -no soy Placido Domingo- pero para mi es un mundo de diferencia.
El problema es que al oner los parametros en los valores "hablar" vuelvo a temblar. Pero yo acepto eso. Si tengo que ir a cualquier lugar, parametros marchar,llego, me siento y parametros "hablar". Lo que no puedo entender es que, por llevarel modelo Soletra debo hacer uso de programmer. Es como un PDA con pantalla tactil. Pero no consigo que me lo suministren. En cambio me dieron un iman para ponerlo en marcha o pararlo (Incongruencia : bajar 0,2 v, no se me permite, ponerlo en marcha o pararlo, 3 v. si!!) En resumen, que no se, que papel tendra en la palabra el SNE pero que hay un area que permite o impide hablar y que esta afectado por las corrientes de alta frecuencia que parten de los estimuladores es tan seguro o incluso mas que Mahoma subio a los cielos montado a lomos de su burra Burac con salida en lo que hoy es la mezquita de Al-AQsa, antiguo templo de Salomon, a 200 m del Santo Sepulcro de donde entre nubes, angeles y arcangeles -que hay jerarquias tambien ahi- tomaron el ascensor celestial Jesucristo y su madre Itziar: El parrafo final me parece aun mas Anatomia-ficcion que mi hipotesis mas aventuradas: "Se plantea una pregunta, porque despues de una lesión el tono postural se desarrolla hacia la hipertonia dominante flexora y el consecuente tono anormal de la musculatura extensora. Un posible razonamiento podría ser la hipótesis del desarrollo humano. Primero se forman neuronas excitatorias que inervan los flexores, luego se forman neuronas excitatorias que inervan los extensores, mas tarde se forman neuronas inhibitorias que conectan tanto los flexores como a los extensores. El desarrollo del se humano parte de la flexion en la niñez hacia la extension en la juventud y regresa a la flexion en la mediana edad y vejez"
Hasta aqui......................................................toni
Mas alla ----Itziar escribio-----
"El sistema extrapiramidal tiene diferentes funciones: - Interviene en la producción de movimientos automáticos
( marcha, palabra, escritura...)
- Participa en el control del tono postural ( la afectación produce rigidez no espasticidad)
- Interviene en el mantenimiento de la postura. La realización de desequilibrios controlados tales como la marcha y la formulación de la actitud postural , parecen depender de estas estructuras. el dispositivo constituido por estos núcleos confiere una triple función en el control de movimiento. Asi interviene en la producción de movimientos automáticos y asociados: marcha, palabra, escritura... Participa en el control del tono muscular (al afectarse se produce rigidez) e interviene en el mantenimiento de la postura. Las enfermedades del sistema extrapiramidal se van a manifestar por tres clases de síntomas: movimientos involuntarios anormales ,alteración del tono muscular y trastornos del equilibrio postural El temblor en el Parkinson se relaciona con un exceso de acetilcolina (acción exccitatoria).
La acinesia se relaciona con alteraciones de la sustancia negra y consiste en la pérdida de la iniciativa para los movimientos voluntarios automáticos:
- movimientos lentos con pérdida de movimientos asociados, con tendencia a girar la vista sin mover la cabeza, a no bracear durante la marcha o a dar vuelta en bloque
- facies sin expresión
- deglución alterada
- voz baja, dificultad para la escritura
- alteraciones de la marcha con dificultad para iniciarla y girar sin balanceo.
La rigidez es una hipertonía que se manifiesta como una resistencia al movimiento pasivo de las extremidades, es importante difrenciarla de la espasticidad ya que esta está ubicada la lesión a nivel de la vía piramidal mientras que la rigidez nos ubica en las vías extrapiramidales. la diferencia estriba en que en la rigidez la resistencia se produce desde el inicio del movimiento y durante todo el arco del mismo, mientras la espasticidad es una exageración de los reflejos de estiramiento muscular El tratamiento fisioterápico en el Parkinson va dirigido a restaurar la alineación normal del cuerpo, mejorar la capacidad de iniciar movimientos y aumentar amplitudes. El mantenimiento del recorrido articular funcional es uno de los puntos clave del tratamiento:
- la columna se deforma esencialmente en el plano sagital ( el que divide desde ariiba abajo en dos mitades al individuo) adoptando una postura progresiva en flexión con hiperlordosis de la columna cervical.
- en los miembros inferiores las caderas tienden a fijarse en aducción (movimiento hacia la linea media del cuerpo) y flexion, las rodillas en flexion y el pie en equino ( punta hacia abajo)
- los miembros superiores tienden a flexion, aducion y rotación interna. Los movimientos normales se basan en un mecanismo fisiologico de control del tono postural y reacciones fisiologicas de equilibrio. el mecanismo de control postural procura un tono postural normal, una inervación reciproca normal (equilibrio entre agonistas y antagonistas) y una coordinación espacial y temporal de los movimientos normales. Las reacciones de equilibrio son:
- reacciones de equilibrio propiamente dichas (se efectuan constantemente para mantener el equilibrio - reacciones de enderezamiento de la cabeza sobre el tronco , del tronco sobre la base de sustentación(lse producen para recuperar el equilibrio, aparecen solo cuando no existe otra posibilidad mas economica para mantener el equilibrio) - reacciones de apoyo de brazos y manos, de piernas y pies.(son pasos de proteccion tienen lugar para proporcionar de nuevo a los centros de gravedad una base de sustentación) Se plantea una pregunta, porque despues de una lesión el tono postural se desarrolla hacia la hipertonia dominante flexora y el consecuente tono anormal de la musculatura extensora. Un posible razonamiento podría ser la hipótesis del desarrollo humano. Primero se forman neuronas excitatorias que inervan los flexores, luego se forman neuronas excitatorias que inervan los extensores, mas tarde se forman neuronas inhibitorias que conectan tanto los flexores como a los extensores. El desarrollo del se humano parte de la flexion en la niñez hacia la extension en la juventud y regresa a la flexion en la mediana edad y vejez

12 setembro 2005

Bom dia Amigos.
Meu nome é Carlos e tenho 54 anos.
Quatro anos em tratamento de Parkinson.

Fui um alcoólatra ativo dos 14 aos 33 anos de idade. Após três internamentos em hospitais psiquiátricos consegui estacionar o meu alcoolismo. Hoje faz 21 anos que parei de beber.
Logo que parei de beber tive que fazer tratamento com antidepressivo e com calmante, porque o álcool afetou muito meu cérebro.
Após alguns anos que parei de beber começaram as tremedeiras nas mãos, mais na direita. Eu achava que era por causa do alcoolismo ou pelo problema que tenho na coluna cervical.
Em 2001 2 anos depois que fiz cirurgia na coluna cervical (3hérnias de disco), comecei a sentir novamente fortes dores. Então fui consultar com um Neurocirurgião, o qual após 2 consultas com exames minuciosos ele me disse que eu era portador da Doença de Parkinson em fase inicial.
Em seguida conheci a Associação Paranaense de Portadores de Parkinson (APPP) em Curitiba, onde morava. Lá fui examinado novamente e diagnosticado novamente a doença. Associei-me e comecei todo o tratamento que eles oferecem. Com algum tempo de tratamento comecei a me sentir melhor.
No início de Dezembro de 2004 vim trabalhar em Brasília. Como aqui não tem associação de Portadores de Parkinson eu continuei o tratamento só com os medicamentos (1/2 comprimido de Parkidopa 3 vezes ao dia).
Pelo excesso de trabalho, falta de outras atividades e exercícios, comecei a me sentir mal novamente a ponto de até pensar em sair do trabalho.
Procurei um neurologista aqui e tive algumas consultas com ele sempre como portador de Parkinson e continuando com o Parkidopa. Como outro médico da Clinica um neurocirurgião que procurei pelo problema de coluna me aconselhou a procurar um especialista em Parkinson, eu marquei consulta com outro médico. Na primeira consulta com este médico ele pediu uma ressonância magnética e que voltasse com o resultado do exame e com 3 dias sem tomar o Parkidopa para que ele me examinasse melhor.
Por motivo do meu trabalho fiquei só 1 dia sem tomar o Parkidopa quando voltei para a segunda consulta. Nesta segunda consulta ele fez todos aqueles testes que eu já tinha feito com os outros neurologistas só que neste dia foi muito mais difícil.
No final da consulta o médico me disse que meu tremor não era constante e que meu caminhar melhorava com treinamento e que eu não tinha a Doença de Parkinson e que eu devia parar de tomar o Parkidopa e só tomar o remédio que ele receitou, que vim, a saber, quando comprei que era para depressão e Doença do Pânico.
Sai do consultório aliviado e feliz da vida por acreditar que havia me livrado desta maldita Doença.
Talvez por isto por alguns dias me senti bem apesar do tremor aumentar, mas, com o passar dos dias fui me sentindo cada vez pior sentindo fortes dores nas pernas e nos braços e minhas pernas começaram a travar.
Como estava em Curitiba fui conversar com o neurologista da APPP e reiniciei meu tratamento e hoje estou me sentindo melhor e estou conseguindo trabalhar.
No mês que vem tenho outra consulta com o especialista daqui de Brasília, vou relatar tudo o que me aconteceu e ouvir o que ele vai dizer.

Gostaria de receber conselhos e/ou opiniões sobre este fato que esta acontecendo comigo.
Abraços.
Carlos.

11 setembro 2005

Bom dia!

Continuando a saga... meu pai tem melhorado a cada dia depois que o médico trocou a medicação.
Ainda está longe do ideal, se é que existe um ideal. Mas, as alucinações aparecem poucas vezes no dia, porém à noite o relógio interno faz com que acorde exatamente às 3 horas para ficar vagando pela casa, sem saber onde está, quem é e para onde vai.
Tem dia que ele está menos lúcido, falando coisas incompreensíveis e se aborrecendo porque a gente não entende o que fala e fica pedindo para repetir.
No mais, tudo certo.
Bom final de semana a todos.

09 setembro 2005

ALUCINACOES: OPINIAO DE TONI CORTINA

“(...)

“2. En verdad la carbidopo-levodopa, produce alucionaciones, por qué?
Si, el jumex puede producir alucinaciones. Que se den o no depende de la dosis y de la pulsatilidad a que aludo mas arriba. Algunos pacientes por sus caracteristicas personales son mas resistentes que otros a ese efecto.
¿ por que? Cuando nos medicamos la L-dopa llega no solo a las neuronas dopaminergicas en la cantidad fisiologicamente justas sino que anega las sinapsis y otros centros cerebrales tanto si es necesario como si no lo es en absoluto.

Por otra parte, la L-dopa es precursora no solo de la dopamina sino de la noradrenalina y de la adrenalina. Tambien, cantidades importantes de ese farmaco, que sigue el mismo proceso que drogas como la heroina yl la cocaina, escapan a su via normal de accion y van cualquier parte antes de ser recapturadas o destruidas por los enzimas especificos.

En suma, que las dosis grandes y espaciadas de L-Dopa, Jumex o Sinemet son origgen de transtornos de todo tipo, La misma dosis diaria tomada en mas veces es determinante de padecer o no alucinaciones.” (...)”

Fonte:
De: a.cortina (cortina@COAC.NET)
Responder para:
Foro sobre la enfermedad de Parkinson (PARKINSON@LISTSERV.REDIRIS.ES)
Enviado:
sexta-feira, 9 de setembro de 2005 09:07:58
Assunto:
[PARK] Re: [PARK] Asociación de Parkinson de Nicaragua
DBS - QUEIXA DE OPERADO


“Vamos, vamos señor Cortina !! No se queje usted. Despues de la operacion, usted anda, no tiembla, no....
Viene a que la regulemos los parametros de los estimuladores para que pueda TAMBIEN hablar?

Eso no podemos. Escoja, hablar "O" andar? Si existe un aparato que le permitiria muyfacilmente caminar un tiempo y una vez sentado, cambiar los parametros y hablar pero es de uso exclusivo de los neurologos. Y usted, no lo es!!. Son las normas. Lo comprende, verdad?

NO
Quiero saber por que no? Que pasaria si fuera neurologo, y fuera PcP, me dejarian utilizar el programador? Hay paises donde esos reglajes no los hacen los neurologos, sino las enfermeras (y a veces los auxiliares de enfermeria si en el momento no hay nadie mas).

Los reglajes no se modifican por unas horas al dia, sino de forma fija entre consulta y consulta porque se complicaria mucho el llevar el seguimiento. Yo llevo el modelo Soletra, el mas moderno es el Kinetra que permite una modificacion de los parametros por los pacientes -dentro de unos limites introducidos previamente y que no es posible cambiar.
Si, pero usted lleva el Soletra, mala suerte !!!”


FONTE:
De: a.cortina (cortina@COAC.NET)
Responder para:
Foro sobre la enfermedad de Parkinson (PARKINSON@LISTSERV.REDIRIS.ES)
Enviado:
sexta-feira, 9 de setembro de 2005 16:03:51
Para:
PARKINSON@LISTSERV.REDIRIS.ES
Assunto:
[PARK] La importancia se ser neurologo.

07 setembro 2005

Bom dia!

Bom, meu pai voltou ao médico neurologista há 1 semana e meia atrás.
Como a mudança na medicação não surtiu efeito desejado, ou seja, ele continuou com as alucinações, visões e sonhos reais, o médico resolveu tirar o Akineton.
Agora ele voltou a tomar o Prolopa e o Mantidan. São cinco doses de medicação por dia, sendo que não deveremos dar um intervalo entre o Prolopa e o Mantidan.

Ele está mais lúcido agora, mas ainda fica confuso algumas vezes durante o dia, e à noite acorda "azuado" querendo sair, dizendo que o quarto está cheio de gente, aquelas coisas que já contei aqui...

Agora estamos procurando alguém que possa cuidar dele, levar à fisioterapia, levar para caminhar... sair.

Por enquanto é só isto.

Pergunto novamente: alguém aí tem tido alucinações e muitas confusões com o Parkinson e suas medicações? Conseguiram controlar, não conseguiram? Contem-me.

Beijos.

05 setembro 2005

‘O CINEMA RESISTIU’
04/09/2005

Paulo José revisita os 40 anos que dedicou à tela grande em mostra no CCBB

Saudade é um leão que Paulo José aprendeu a domar com o tempo. Pode deixar a jaula aberta à vontade que ela não sai. Não fosse assim, este gaúcho de Lavras do Sul, de 68 anos, teria uma noite de segunda-feira repleta de lágrimas. Bom, com certeza algumas serão derramadas amanhã, às 20h, quando as primeiras seqüências de “O padre e a moça” (1965), de Joaquim Pedro de Andrade, longa que lhe tirou a virgindade cinematográfica, tomarem conta da sala de exibição do Centro Cultural Banco do Brasil, mas elas não sairão do rosto de Paulo. No máximo, o que pode calar fundo em seu peito, na sessão de abertura da mostra Paulo José — 40 anos de Cinema, são duas sensações. A primeira é a certeza de que, desde aquele filme, o audiovisual no país resiste bravamente à guerra pela sobrevivência.

— O Brasil faz o melhor cinema brasileiro do mundo. Já quando ele cisma em fazer cinema americano...

Já a segunda, seria um sentimento de gratidão.

— Vendo esses filmes todos é que eu tenho a certeza de que ganhei mais do que tinha pedido. É uma alegria muito grande saber que, apesar das críticas que recebi de pessoas muito próximas a mim e dos riscos que corri, tudo deu certo. Melhor do que se eu tivesse concluído arquitetura e entregue o diploma pra minha mãe. Aliás, ela levou 30 anos para aceitar quando eu larguei a faculdade em Porto Alegre para atuar — diz o ator que, 11 anos antes de posar para as lentes de Joaquim Pedro, debutara nos palcos em montagem de “O muro”, de Jean-Paul Sartre.

Realmente, custou a mudar a visão de dona Maria Del Carmen sobre a trajetória que o filho Paulo, o segundo dos cinco meninos que concebeu, escolheu trilhar.

— Eu já estava com 50 anos na cara e um porrilhão de filmes nas costas quando minha mãe me disse: “Meu filho, por que você não volta para a universidade?” Acho que logo depois ela começou a sentir orgulho, quando viu meu rosto estampado na capa da “Manchete”. Começou até a juntar revistas em que eu aparecia — diz o ator, feliz com a notícia de que, aos 95 anos, dona Carmen irá ao CCBB homenageá-lo.

Até o dia 18, 33 filmes, entre curtas e longas-metragens — mais dois episódios do mítico seriado de TV “Shazam, Xerife & cia” — serão exibidos neste tributo a Paulo, que no dia 13, estará no CCBB para um debate com o público. O pacote inclui produções raras. É o caso de “Como vai, vai bem?” (1968), tragicomédia em oito episódios dirigidos por Alberto Salvá, Paulo Veríssimo e outros, e “A vida provisória” (também de 1968), de Maurício Gomes Leite, trama pioneira em abordar a corrupção em Brasília, rodada sete anos depois da inauguração da capital federal. Outra pedida imperdível é a abrasiva comédia “Cassy Jones, o magnífico sedutor” (1972), versão de Luiz Sérgio Person para o personagem de Lima Barreto.

— Retrospectivas oferecem às pessoas a chance de repensar um filme a partir de uma distância histórica. Nelas, você vê filmes que podem ter envelhecido esteticamente, mas não eticamente — diz ele, citando em especial dois filmes que protagonizou: “Todas as mulheres do mundo” (1966), de Domingos Oliveira, e “Macunaíma” (1969), também de Joaquim Pedro.

Não que eles sejam seus preferidos, já que ele jura não ter eleito um xodó. Mas ambos até hoje geram debate.

— “Macunaíma” não é datado, porque Joaquim o fez sem nenhum maneirismo de época, sem apelar para os efeitos de tecnologia da época, apoiado nos figurinos que Anísio Medeiros costurou. Já “Todas as mulheres do mundo”, por ter um frescor, uma simplicidade — elogia.

Para o ator, há um verdadeiro couvert documental na seleção de longas da década de 60 que integram a mostra.

— Na verdade, todos os filmes dos anos 60 hoje servem como um documentário de época porque tudo o que se vê neles é exatamente o que era. Nos longas do Domingos eu usava minhas roupas. O apartamento do meu personagem não era um cenário fabricado, era o apartamento do próprio Domingos. Nos anos 70, com a idéia do cinema médio, começa a aparecer um enobrecimento do filme. Um personagem que nos anos 60 teria um Fusquinha, nos 70 pilotaria uma Mercedes vermelha — diz Paulo, que há 12 anos vem travando uma dura peleja pessoal.

Seu algoz: o Mal de Parkinson. A doença revelou seus primeiros sintomas em 1993, com uma cena que parece ter sido tirada de uma comédia de humor negro.

— Quando o Parkinson foi diagnosticado e o médico me receitou Prolopa, eu perguntei até quando deveria tomar o remédio. Aí, com um ar meio maquiavélico, ele me respondeu: “Você tem uma doença progressiva, degenerativa e irreversível”, e ficou me olhando com uma cara trágica, como se quisesse tirar minha esperança. Mas aí eu lembrei que a vida que a gente leva também é assim: progressiva, degenerativa e irreversível. Percebi ali que o homem é produzido para ter só 30 anos. Depois disso, as peças começam a sair da garantia.


Depois de passar quase três anos ao lado de uma das mais prestigiadas companhias teatrais do país, o mineiríssimo Grupo Galpão, que dirigiu em montagem de “O inspetor geral”, Paulo prepara com eles uma versão de “Um homem é um homem”, de Bertolt Brecht, agendada para estrear no dia 22 de outubro em Belo Horizonte. Além disso, como produtor, finaliza um documentário sobre a trajetória da trupe dirigido por sua mulher, Kika Lopes, que será lançado em DVD. Apesar de fortalecer seus laços com o Galpão, o projeto deixou o ator com triste impressão sobre a captação de incentivos.

— No Brasil, se você fizer uma produção absolutamente dentro da correção, dizendo exatamente o que gastou e onde gastou, suas contas não são aprovadas. Sua prestação precisa corresponder a um formulário oficial.

Para o ator, falta ao processo maior confiança nos artistas.

— Quando eu capto dinheiro pra fazer um filme, eu quero fazer um filme, não quero comprar um apartamento, nem trocar de carro. Boa parte dos cineastas pensa assim. Mas esse sistema hoje vem cercado de desconfiança, pois o abuso contaminou o uso — lamenta.

Jornal: O GLOBO Autor:
Editoria: Segundo Caderno Tamanho: 1153 palavras
Edição: 1 Página: 1
Coluna: Seção:
Caderno: Segundo Caderno

02 setembro 2005

DESABAFO DO POETA ROGERIO SIMOES

Comentários: O que o tempo tem de sobra
Obrigado a todos os que lêem os meus poemas. Sou um humilde poeta. GOSTO MUITO DE POESIA: Pena é que me sinta bastante mal e se assim continuar por certo vou desistir do blog. A minha Parkinson, ou melhor, esta doença está hoje a prender-me, ainda mais, o braço e perna esquerda. Hoje estou de facto bastante mal. Raramente sujo a roupa que visto - hoje não! Fiquei triste por ter derramado um pedaço de comida na camisa e, o mais grave, só ter dado por isso quando a minha doce companheira chamou a minha atenção para o facto, apesar de me lembrar que tive muita dificuldade em segurar no garfo. Estou realmente muito triste não pensava “pesar” com esta idade. Afinal tenho 56 anos e a Parkinson não dá para me aposentar da Função Pública. Depois existem alguns colegas de trabalho com má formação moral e intelectual que, sabendo do meu mal, aproveitam para minar o meu caminho. QUE importa que reconheçam que eu sou um bom técnico se, depois, carregam e exigem de quem trabalha o trabalho que certos incompetentes e frustrados não realizam. Amanhã será outro dia e por certo estarei melhor. Melhor certamente vou estar... irei descansar 15 dias de férias divididas entre o Monte da Pedra, perto do Crato, e os restantes no meu Meco. Já me esquecia que estava a responder ao comentário que antecede. Ainda ontem recuperei alguns poemas antigos duma fase que se escrevia por meias palavras. Ainda bem que os mais jovens não conheceram a falta de liberdade para falar, escrever ou votar. Coloquei aqui alguns desses poemas mas como não comentaram retirei-os e coloquei-os mais abaixo. Intitulam-se: CANÇÃO DOS ABANDONADOS e a uma compilação de 1971 a que chamei de “Viagem, Queda, Viragem e Levitação”. Às vezes penso que estou a mais na blogosfera e que a poesia não interessa. A cultura está nas novelas que, como um novelo, nunca mais acabam. Os bons programas de televisão são atirados borda fora para horários de descanso. Estou cansado! Até insultos me estendem como se isto, dos blogs, fosse um campo de batalha. Por isso, às vezes RETIRO OS COMENTÁRIOS. Pergunto: quem gosta de receber insultos tão grosseiros. Reconheço que muitos não gostem do que escrevo e democraticamente aceito isso. Porém não gosto que escrevam de forma grosseira e ordinária. Penso até, quem assim escreve, se deve ter-se enganado no blog. Nunca disse que era um grande poeta. Poeta maior era Pessoa mas esse passou por um imenso desassossego. Vou terminar porque estou fatigado. Tenho neste blog a que chamo livro de poesia, mais de 100 poemas que gosto bastante e dariam para 2 livros de poesia. Nunca foi minha preocupação publicar o quer que fosse e nem sequer seria difícil conseguir uma edição de autor tantos são os apoios de amigos mas isso não está nas minhas preocupações. Aparte de tudo isto, reconheço que foi a existência do blog que me impediu que rasgasse e até cuidasse um pouco mais a minha poesia, muito embora, não tanto como deveria. A poesia que me resta está na razão directa da existência do blog e de tantos amigos que me visitam e me escrevem identificando-se com ela. Agradeço aos meus amigos de Almada que acreditaram na minha poesia. Agradeço aos poetas brasileiros e aos amigos do Brasil que tantos gostam da minha poesia. Agradeço aos emigrantes que até a reproduzem nos seus jornais. AGRADEÇO À MINHA COMPANHEIRA QUE ME INCENTIVOU A PUBLICAR; OU MELHOR, A DAR A CONHECER OS POEMAS QUE LHE DEDIQUEI E OS OUTROS que não lhe foram dedicados e que mesmo assim INCENTIVOU E PROTEGEU PARA QUE OS DIVULGASSE E NÃO DESTRUÍSSE. Obrigado a todos e quanto ao resto, sem lamechas, a esperança ainda não morreu. Deus é grande Rogério Simões Enviado por Poemas de amor e dor em setembro 2, 2005 11:16 PM